Paulistão: Fumagalli justifica viés de alta do Guarani: 'Base mantida para 2020'

Ex-dirigente do Bugre, atualmente, é sócio em empresa que agencia jogador

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 09 (AFI) - Embora longe do Brinco de Ouro da Princesa desde agosto do ano passado, Fumagalli ainda acompanha o Guarani.

Principal ídolo bugrino dos últimos anos, o ex-superintendente de futebol, demitido pelo então presidente Palmeron Mendes Filho, analisou o viés de alta no Campeonato Paulista, torneio no qual o time campineiro tem classificação encaminhada às quartas de final com duas rodadas de antecedência.

Radicado em Americana, Fumagalli ainda acompanha o Guarani - Letícia Martins / Guarani FC
Radicado em Americana, Fumagalli ainda acompanha o Guarani

"Eu acho que muito do que está acontecendo hoje é em função de uma base que foi mantida para esse ano no Campeonato Paulista. A diretoria atual e o treinador se encaixaram e escolheram bem o perfil para entrar nessa espinha dorsal que já tinha", avaliou, em entrevista à Rádio Central de Campinas.

"Vou citar alguns nomes: o goleiro Jefferson Paulino, o volante Deivid, Thallyson, Lucas Crispim, enfim. São jogadores que permaneceram e deram uma base boa e forte para esse trabalho brilhante que está sendo desenvolvido neste ano", emendou.

Além dos nomes citados pelo ex-cartola, time campineiro ainda manteve para este ano o goleiro Carlão, os zagueiros Bruno Silva, Bruno Lima (em recuperação de lesão no joelho) e Pedro Moraes (emprestado ao Vitória), o lateral-esquerdo Bidu, o lateral-direito Bruno Souza (já dispensado), os volantes Igor Henrique, Marcelo, Pedro Acorsi (de volta após empréstimo curto ao Sergipe) e Ricardinho, o meia Bady e os atacante Renanzinho e Wermeson, pratas da casa.

BALANÇO

Ressentido com o desligamento do Alviverde em meio à crise político-técnica na Série B, Fumagalli usou a serenidade para fazer um balanço de sua passagem pela diretoria durante oito meses.

"Houve coisas ruins? Houve coisas ruins. Houve contratações ruins e nomes que não deram certo. Eu sei disso, mas houve muita coisa produtiva. Houve muita coisa que ficou e está dando resultado. Há o próprio Thiago Carpini também. Ele é um exemplo. Eu o trouxe de volta para o Guarani, enfim. Muitas coisas deram errado, mas há bastante coisas também que deram certo", defendeu-se.

"Trabalhar no Guarani é difícil. Todos sabem da situação financeira. Eu acho que, para ter resultado, é isso que está sendo feito. É manter uma base, dar sequência de trabalho e dar confiança para os atletas. Carpini tem tido esse mérito de estar conseguindo fazer um grande trabalho neste momento", finalizou o ex-camisa 10.